Confira a programação Aqui

Em sua sexta edição a Mostra Convergência reúne artistas do Amapá, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, São Paulo, Santa Catarina e Tocantins. É um ponto de encontro da produção artística contemporânea brasileira da arte da ação. Interessa ao Sesc enquanto instituição a promoção da arte contemporânea brasileira e possibilitar ao público o encontro com essa arte. Bem como também firma um diálogo entre o espectador e a arte.

A função da Arte é criar um corpo visível, palpável, audível, toda vez que a sociedade se vê sufocada em sua forma de existir e no modo de interpretar o mundo. Nesse sentido a Arte está diretamente ligada a vida. Ela cumpre a sua função ao externar aquilo que a sociedade necessita vivenciar. A Arte é algo que faz bem a medida em que desperta sentimentos e sensações, melhora a sensibilidade, a inteligência e o agir no mundo.

A Mostra Convergência apresenta discussões conceituais bastante diversificadas que vão ao encontro da realidade em que vivemos. São questões como ‘mercado’ e ‘natureza’, ‘gênero’ e ‘racismo’, ‘tecnologia’ e ‘globalização’, ‘individual’ e ‘global’. São questões abordadas pela ótica da arte e que estão presentes não como uma forma de resposta, mas de questionamentos. Pois, a arte se propõe a questionar, a tirar as pessoas do seu centro e a auxiliar a percepção do mundo e de suas incertezas. Nesse sentido, a arte é necessária como catalisadora social e transmutadora, auxiliando o homem como mais uma forma de conhecimento que foge ao cartesianismo operante.

A performance é um gênero artístico que dificilmente se deixa classificar de forma cartesiana. Ela é o que não é: não é teatro, não é música, não é dança, não é pintura, não é escultura, não é vídeo e não é fotografia, mas pode apresentar elementos e características desses gêneros artísticos. É um gênero artístico que se dá no aqui e agora e se concretiza no efêmero. Estando a performance efetivada no binômio arte e vida, e talvez por tal característica, ela gere certos desconfortos no espectador acostumado com a arte representacional e ligado a lógica cartesiana. Deve se ter em mente que ela é uma expressão artística que se dá entre o tempo e o tempo ritual e, nesse sentido, a sua lógica se encontra no próprio desenrolar da vida que é feito de pequenos momentos presentes e que não mais se repetirão.

 

Vone Petson – curador